Projeto Praia Circular é implementado no Rio para redução do uso de plásticos na orla

Desenvolvido em parceria entre Riotur, Orla Rio e Programa Plásticos Circulares das Américas (CPAP), com foco na sustentabilidade do turismo carioca, projeto contou com o apoio do Mestrado em Gestão Empresarial Intensivo (MEXi).

imagem

Desenvolvido em parceria entre Riotur, Orla Rio e Programa Plásticos Circulares das Américas (CPAP), programa da União Europeia, o projeto contou com o apoio, do Mestrado em Gestão Empresarial Intensivo (MEXi), da Escola Brasileira de Administração Pública e de Empresas (FGV EBAPE). A iniciativa promove a sustentabilidade no turismo carioca ao estabelecer ações para a redução do uso dos plásticos – principalmente os de uso único – nas operações comerciais que existem na praia, hotéis, restaurantes, quiosques e barracas de praia.   

O discente e vice-presidente da Orla Rio, Guilherme Borges, foi convidado em 2022 para participar de um workshop promovido pelo CPAP onde eram debatidos projetos que ajudassem a cidade do Rio a buscar soluções para a redução dos plásticos – especialmente os de uso único. A partir da cooperação dos participantes do workshop o projeto Praia Circular foi idealizado e logo contou com o apoio da Riotur, Orla Rio e diversas entidades setoriais com a ABIH, SindRio e Rio Convention & Bureau. O projeto piloto já está em funcionamento entre os Postos 3 e Posto 4 na praia de Copacabana e tem uma duração de 12  meses. 

Ao falar sobre o desenvolvimento do projeto, Guilherme Borges destaca que sempre teve uma carreira orientada ao empreendedorismo, novos negócios e na liderança de equipes, porém de forma intuitiva. “Durante o mestrado fomos apresentados a várias técnicas de organização do pensamento e uma grande variedade de artigos científicos, muito enriquecedores, e que mudaram a minha forma de trabalhar. Matérias como Gestão da Inovação do professor Paulo Figueiredo, Metodologia de Pesquisa do professor Joaquim Rubens, além da jornada que fizemos de Consulting Project I e II dos professores Augusto Sales e Sami Fouad foram fundamentais nessa jornada”, completa. 

O executivo ressalta que durante a estruturação do projeto contou, também, com a ajuda de dois outros alunos do MEXi, Daniel Rocha e Priscila Neves, que o ajudaram criar uma das ações implementadas pelo projeto. O grupo de estudo realizou pesquisa de campo com 50 pessoas para ver a viabilidade econômica da instalação de bebedouros inteligentes para a venda de água filtrada na praia,  reduzindo assim, a venda de água em garrafas plásticas. A primeira máquina já foi instalada e vende 500 ml de água a R$ 1,00 . 

“Só com uma boa pesquisa é que conseguiríamos prever um modelo mais adequado. O coordenador do MEXi, professor Augusto Sales teve, também, uma participação fundamental na construção desta parte do projeto. Os materiais disponibilizados na disciplina de Empreendedorismo, Inovação e Sustentabilidade nos deram um bom guia para formatar o projeto, especialmente os módulos sobre desenho do modelo de negócios e a excelente palestra do David Keller sobre como construir a confiança criativa. Usamos muito essas referências para finalizar o nosso trabalho”, ressalta Guilherme. 

No início de 2023, a FGV EBAPE, por intermédio da Coordenação do MEXi, recebeu representantes do CPAP, uma pequena comitiva da União Europeia (UE), executivos da Orla Rio, especialistas em sustentabilidade e professores da FGV EBAPE para debater soluções para a questão do plástico. O projeto Praia Circular, foi apresentado oficialmente a Riotur neste dia e demonstrou o apoio da Escola à iniciativa.  O encontro foi fundamental para que a iniciativa conseguisse financiamento do Instrumento de Política Externa da União Europeia, pois o projeto prevê intercâmbio de conhecimento com empresas e universidades de vários países da Europa. 

Para o professor Augusto Sales, que trabalhou com o grupo em sala de aula acompanhando o desenvolvimento do projeto, o Praia Circular é uma forte evidência de que a disseminação de uma cultura empreendedora nas organizações é um grande aliado ao engajamento dos profissionais, partes relacionadas e, da criação de valor para o negócio. “O Praia Circular é uma excelente demonstração de que a inovação e a sustentabilidade podem caminhar juntas em benefício das organizações e da sociedade. Ao utilizar técnicas de gestão e empreendedorismo, combinadas com a consciência ambiental, os alunos do MEXi estão ajudando a criar uma iniciativa pioneira e promissora, capaz de inspirar outras empresas e setores a adotarem práticas mais sustentáveis. É gratificante ver como a academia pode contribuir para a construção de um futuro mais equilibrado e próspero para todos” - destaca.  

Novas alternativas  

O projeto Praia Circular já tem programado rodadas de pesquisas com as quais serão avaliados o engajamento dos moradores e a aceitação dos turistas às ações implementadas. Nas próximas semanas, serão realizados testes de campo a aceitação de novos produtos que podem substituir o plástico, como água em lata e embalagens feitas de amido. 

Com uma ligação próxima ao tema de sua dissertação de mestrado, Borges aponta que, durante conversa com os representantes do CPAP, viu a possibilidade de alterar o seu projeto já submetido, para um novo que estivesse integrado as ações que estão sendo planejadas para o Praia Circular. 

“Recebi todo o apoio da escola e acredito que isso tenha sido também um fator determinante para a aprovação do projeto. Coordenei, junto com pesquisadores da Riotur, no final de semana entre os dias 19 e 23 de abril passado, uma pesquisa de campo com 411 turistas nacionais e internacionais sobre o tema sustentabilidade e o turismo.  Os dados dessa pesquisa serão usados pelo projeto Praia Circular para melhorar as ações previstas e para criar novas soluções. Eu também irei usar os dados na minha dissertação  e estou confiante que os resultados também poderão ajudar de alguma forma o desenvolvimento do projeto . É uma grande alegria para mim, saber que o meu trabalho acadêmico pode ajudar de alguma forma uma iniciativa tão importante para a nossa cidade”, explica. 

Para o executivo, a conexão academia e indústria é fundamental para que as pesquisas acadêmicas possam contribuir para um ambiente empreendedor mais robusto e seguro no país.

“Vi durante toda a minha vida profissional, várias empresas e negócios que abriram e fecharam por falta de planejamento e, principalmente, inovação. Acho muito difícil que essa cultura seja incorporada aos empreendedores e executivos, sem o apoio e suporte da academia”, conclui. 

Na visita ao Brasil para reunião com membros do governo brasileiro em debates sobre Economia Circular, o comissário para Meio Ambiente, Oceanos e Pesca da União Europeia (UE) Virginijus Sinkevičius, durante agenda no Rio de Janeiro, conheceu as principais ações do projeto Praia Circular, bem como a instalação de máquina de venda de água gelada, o reforço de conscientização da população e o processo de coleta dos resíduos plásticos encontrados na orla carioca. 

 

Galeria

imagem
imagem
imagem
A A A
High contrast